12 de outubro, dia de Artivismo no Serviluz

Pipa vermelha para cortar o céu azul, câmera analógica para descobrir outros olhares, spray para colorir paredes com palavras de luta. Nesta segunda-feira, dia 12 de outubro, o coletivo Urucum – Direitos Humanos, Comunicação e Justiça e a Associação de Moradores do Alto Paz, com a ajuda indispensável de parceiros, organizaram um dia de atividades culturais no Serviluz.

Com direito a café quente, lanche e um baião de dois com peixe para o almoço (sentiu o cheirinho?), a programação do evento foi diversificada: durante a manhã, uma oficina sobre direito à moradia utilizou o método do Teatro do Oprimido para representar a importância da organização popular perante as constantes ameaças de remoção. Enquanto isso, a criançada se divertia fazendo suas próprias pipas. Já à tarde, a oficina de fotografia analógica propôs redescobrir o Serviluz através das lentes da câmera e a de stêncil, gravou nas camisas a resistência do Alto da Paz.

Agradecemos muito o apoio, a disponibilidade e a gentileza do Ribamar, da Raquel, da Jô e dos moradores do Alto da Paz; do Centro de Assessoria Jurídica Universitária (CAJU); dos integrantes do Laboratório de Estudos da Habitação (LEHAB) e da pesquisa Arte| Espaço Comum| IntenCidades; dos oficineiros Clara Capelo, Eric Barbosa e Lucas Moreira Victor; de todos e todas que emprestaram suas câmeras e fizeram a oficina acontecer (valeu demais, gente!); dos atores Flávio Carvalho e Victor Freitas e dos fotógrafos Paulo Winz e Naiana Gomes, que realizaram um belo registro desse dia. Avante!

Fotos: Paulo Winz e Naiana Gomes.